Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Batalha Naval Química Adaptada à Libras recebe segundo lugar em evento da UFMA 

Notícias

Batalha Naval Química Adaptada à Libras recebe segundo lugar em evento da UFMA 

Inclusão

Projeto é realizado no Campus Gurupi
por Maiara Sobral publicado: 03/01/2019 09h41 última modificação: 04/01/2019 08h36
Exibir carrossel de imagens Batalha Naval Química Adaptada à Libras recebe segundo lugar em evento da UFMA

Batalha Naval Química Adaptada à Libras recebe segundo lugar em evento da UFMA

"Senti-me desafiado e tive uma grande dificuldade de encontrar materiais didáticos direcionado para o atendimento aos surdos em suas especificidades", assim o professor Frankinaldo Lima resume como surgiu o projeto: Batalha Naval Química Adaptada à Libras, desenvolvido no Campus Gurupi do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) e segundo lugar no prêmio de melhor prática educativa de inclusão no III Expociências, evento realizado no Campus Grajaú, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no final de 2018.

Com o intuito de ampliar a base sobre Química de um aluno surdo, o professor buscou uma metodologia que fosse voltada à inserção de discentes com a deficiência auditiva e a surdez. De acordo com professor Frankinaldo, além da contribuição ao aluno surdo, o projeto estimula os demais alunos ouvintes a aprenderem Língua Brasileira de Sinais (Libras) durante as aulas de Química. "O que nós fizemos foi construir um jogo didático com a tabela periódica em Libras para atender à necessidade e passar os conhecimentos de Química para o nosso aluno surdo”, destaca o professor.

Entre as práticas adotadas no projeto está a tabela periódica dos elementos químicos em Realidade Aumentada (RA), que utiliza um software para que esses sejam apresentados numa perspectiva tridimensional, beneficiando os estudantes surdos, ao tornar mais visual, lúdica e dinâmica a aprendizagem dos elementos químicos da tabela periódica. Por meio de oficinas e apresentação de trabalhos, o professor Frankinaldo tem disseminado o projeto em outras instituições de ensino, tais como a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e o Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). 

"Conclui-se, portanto, que a abordagem lúdica e adaptada para Libras como a Batalha Naval Química Adaptada à Libras, em uma disciplina com conceitos abstratos, torna-se um diferencial que desenvolve a criatividade, espírito de cooperação e que amplia o processo de ensino e aprendizagem em diversos espaços educativos, proporcionado a integração e a inclusão de ouvintes e surdos", comemora Frankinaldo.