Você está aqui: Página Inicial > Notícias > IFTO e UFT apresentam tecnologia durante audiências

Notícias

IFTO e UFT apresentam tecnologia durante audiências

Inovação

Pesquisadores estiveram em Brasília no dia 27 de março
por Maiara Sobral publicado: 02/04/2018 15h54 última modificação: 02/04/2018 15h57
Exibir carrossel de imagens Reunião com Secretário Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Reunião com Secretário Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Divulgar nova tecnologia e buscar parcerias foram os objetivos dos pesquisadores tocantinenses durante audiências realizadas em Brasília - DF na última terça-feira, 27. A tecnologia consiste em produzir etanol (outros biocombustíveis), HMF (composto primário para produção de nylon, plástico e diversos outros produtos para indústria química e farmacêutica), a partir de resíduos da carcinicultura (casca de camarão) ou de fungos, insetos e crustáceos.   

Os desenvolvedores dessa nova tecnologia são os pesquisadores: Éber Eurípedes de Souza, do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), Sérgio Ascêncio e Adão Montel, da Universidade Federal do Tocantins (UFT), que participaram das audiências como representantes das instituições. Além disso, eles divulgaram a tecnologia e buscaram parcerias para inovação desenvolvida pelo IFTO e pela UFT,  que é a primeira patente internacional das duas instituições.

Entre as audiências, foi realizada uma reunião com o deputado federal Luiz Nishimori, que é líder da bancada do Japão. Vale destacar que o mercado do sudoeste asiático é prioritário para a biotecnologia desenvolvida.

Outra reunião aconteceu no Ministério de Minas e Energia, na qual os pesquisadores apresentaram o projeto ao Secretário Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Márcio Bezerra.

“Considero que as reuniões foram produtivas e possibilitaram o interesse de possíveis parceiros nacionais e internacionais, mas o caminho é longo por enquanto. Como pesquisador, compreendo que precisamos inovar na prática. Pesquisa aplicada seguida de empreendedorismo é urgente para realimentar o sistema acadêmico e modernizar o mercado”, destaca Éber.

As reitorias, pró-reitorias de Pesquisa e Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT's) de ambas as instituições estão diretamente envolvidas no desenvolvimento desse projeto.