Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Estudantes do IFTO visitam Aldeia Boa Esperança

Notícias

Estudantes do IFTO visitam Aldeia Boa Esperança

Cultura Indígena

Momento foi realizado no último dia 16
por Maiara Sobral publicado: 19/06/2018 17h08 última modificação: 19/06/2018 17h12
Exibir carrossel de imagens Estudantes do IFTO visitam Aldeia Boa Esperança

Estudantes do IFTO visitam Aldeia Boa Esperança

No dia 16 de junho, estudantes do Campus Gurupi e do Campus Avançado Formoso do Araguaia, do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), visitaram a  a Aldeia Boa Esperança, na Ilha do Bananal. O momento integrou a disciplina de Inglês III, ministrada pela professora Márcia Moreira e buscou o intercâmbio cultural entre os estudantes e os moradores da aldeia.

A recepção dos alunos e professores foi feita pela mãe do cacique, dona Lucirene Javaé, que agradeceu a visita de todos.

Durante o encontro, os estudantes conheceram elementos da cultura indígena, desta forma, eles puderam explorar muitas características, tais como: a língua falada na aldeia, a pintura corporal, artesanato indígena e o cotidiano na comunidade.

Ainda na visita, o coordenador da escola indígena Wataki, Célio Siqueira, apresentou a estrutura da aldeia e o sistema de educação adotado na comunidade. Além disso, falou sobre a importância da implementação de políticas públicas no que diz respeito à educação indígena.

“A visita proporciona aos alunos uma realidade para o amadurecimento de valores, solidariedade, humanização e principalmente igualdade”, destaca a professora Márcia Moreira. Quanto às ações desenvolvidas pelo IFTO nessa área, ela falou sobre o projeto de inclusão social nas comunidades indígenas e que está prevista a divulgação de edital para contratação de monitores intérpretes indígenas para auxiliar na educação e no desenvolvimento local das aldeias, como também nas ações afirmativas. 

A visita proporcionou um momento de troca entre as culturas, no qual os estudantes perguntaram sobre os hábitos indígenas e conheceram mais sobre o dia a dia deles. E também puderem questionar sobre a vivência deles na atualidade, assim como entenderam as diferenças entre as diversas etnias indígenas do Tocantins.

(Com colaboração de Ágatha Alves da Silva)