Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Estudantes do IFTO buscam apoio para competição no Japão

Notícias

Estudantes do IFTO buscam apoio para competição no Japão

RoboCup

Campeonato de robótica será realizado entre os dias 25 e 31 de julho
por Maiara Sobral publicado: 23/06/2017 17h44 última modificação: 06/07/2017 15h05

Cinco estudantes do Campus Palmas do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), sendo um do curso de Engenharia Elétrica e os demais do curso de Mecatrônica, orientados pelo professor Wendell Costa, desenvolveram o robô Peste Negra, um dos dez finalistas do maior campeonato mundial de Robótica, a Robocup, que será realizada em Nagoya, no Japão, entre os dias 25 e 31 de julho.

Tendo em vista que o IFTO não conseguiu custear as despesas de todos os participantes da equipe, sendo que até o momento, está garantida a participação de três estudantes e do professor, os alunos estão realizando uma campanha de arrecadação on-line e solicitando o apoio às empresas e aos órgãos públicos.

Com objetivo de definir as estratégias de captação das duas passagens faltantes e agilizar a emissão das passagens que serão custeadas pelo IFTO, nesta sexta-feira, 23, os estudantes e o professor estiveram reunidos com o reitor Francisco Nairton, o diretor-geral do Campus Palmas Octaviano Furtado, o pró-reitor de Administração Rodrigo Gori e o diretor de Administração do Campus Palmas Vladimir Lisboa.

O reitor Francisco Nairton reforçou que está buscando apoio por meio de instituições parceiras e que é importante cobrar dos possíveis colaboradores a definição do apoio, uma vez que falta um mês para realização do evento. 

Vale ressaltar que a Robocup é o evento mundial mais importante  na área de Robótica, é quando os competidores de todos os países podem mostrar a sua capacidade de raciocínio logico, desenvolvimento de robôs e competitividade. Existem várias modalidades em que os alunos podem competir. O Peste Negra está participando na modalidade RoboCupRescue, que é uma competição voltada às operações de resgate, usando um cenário de desastre, como o de um terremoto. 

"Não posso deixar de destacar que esta é uma experiencia única para os estudantes, eles terão oportunidade de ir para um país estrangeiro e trocar experiencias com competidores de todo o mundo de várias categorias diferentes de competição. Por isso, estamos engajados na busca de auxílio, para que todos os envolvidos no projeto possam ir para o Japão", destaca o professor Wendell.