Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Campus Palmas realiza a 4ª edição do Encontro de Direitos Linguísticos do Tocantins

Notícias

Campus Palmas realiza a 4ª edição do Encontro de Direitos Linguísticos do Tocantins

16 anos da Libras

Encontro oportuniza mais conhecimento sobre os direitos dos surdos
por Eliane Vieira publicado: 07/05/2018 10h05 última modificação: 07/05/2018 10h10

O Campus Palmas, do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), realizou no dia 28 de abril a 4ª edição do Encontro de Direitos Linguísticos do Tocantins:16 anos da Libras.

O evento que tem o objetivo de proporcionar a disseminação da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e oportunizar à comunidade mais conhecimento sobre os direitos das pessoas surdas. A atividade foi organizado pela Coordenação de Educação inclusiva e Diversidade e Coordenação de Linguagens do Campus Palmas (CEID/GEAE).

Esta edição contou com palestra da professora do curso Letras/Libras da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Campus Porto Nacional, Maria Inez. Além disso, foram realizadas oficinas de Introdução à Libras e foi exibido um filme sobre a história de uma família surda. As atividades tiveram o intuito de fortalecer as discussões em torno de políticas públicas para a Libras, estabelecendo metas e deliberações num processo transversal e federativo.

O evento também celebrou a conquista de toda a comunidade surda e profissionais que atuam na área, com a legislação federal de nº 10.436/2002, que oficializou e reconheceu a Língua Brasileira de Sinais como a língua oficial dos surdos no Brasil.

Atualmente o Campus Palmas conta com dois estudantes surdos no Curso Técnico de Manutenção de Computadores, ofertado por meio do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja).

“É uma satisfação muito grande realizar a 4ª edição desse evento. Contamos com um publico bem significativo e a presença de nossos estudantes nos deixa muito alegres. Esse momento também foi de celebrar a Lei de Libras, que foi uma conquista da comunidade surda do Brasil. Sonho com um dia em que os surdos poderão ir a qualquer local e encontrem acessibilidade em sua própria língua”, frisou a Interprete de libras da unidade, Alini Alves.

(Com informações da CEID)